Desconfiança geral em relação com atentado a Bolsonaro

Atilio Borón, politólogo, sociólogo e escritor, analisou a situação do Brasil. Assegurou que o ataque contra Jair Bolsonaro deixa muitas dúvidas e que mesmo se proíba a Lula Da Silva ,  o PT conservará os votos. Foi otimista com o futuro da Venezuela apesar das dificuldades que afronta.

Doutor em Ciência Política na Harvard, professor da Universidad de Buenos Aires e investigador do CONICET, também duvida do atentado a Bolsonaro. Assegura que deixa  dúvidas e agrega maior dramatismo à eleição brasileira. “é bem pouco provável que um cara sozinho o tenha atacado ”. “Em todo caso a gente adverte que Bolsanoro gera violência” opinou.

Em diálogo com o programa “Viento Sur”, que conduz Marcelo Pascuccio d se emite aos sábados por 14 rádios de Neuquén e Río Negro, Borón disse que não acredita que permitam a  Lula participar da eleição. “Só falta determinar se  vão colocar condições à prescrição de Lula. Caso reeditem  o decreto argentino 4161 do golpe de 55 que proibia o uso da palavra Perón ou peronista ou se a proibição não atinge  a um limite tão extremo”. Confia em que  tanto Fernando Haddad como Manuela Dávila ficarão com o  voto de Lula e do PT.

Afirmou que há que descartar por completo que Fernando Hadad possa cometer a “infâmia” de Lenin Moreno no Equador. “Moreno  enganou a todos nós, riu na nossa cara, desde Rafael Correa a todos os demais. No dia seguinte da eleição traiu a Correa perseguindo-o querendo agora levá-lo à prisão e matar se puder”.

Sobre a Venezuela opinou que se misturam temas domésticos, uma corrupção endêmica e o ataque  brutal  permanente do qual é vítima. “Há também um uso inadequado da política econômica que chegou a esta situação limite”. Não obstante acredita  que a questão econômica começa a  estabilizar-se.